terça-feira, 6 de abril de 2010

Aventuras de um recém emigrado em Angola

Boas,

Emigrado que estou há aproximadamente uma semana em Luanda, Angola decidi este fim de semana de Páscoa dedicar-me à escrita. Infelizmente passei o fim de semana todo sem internet, televisão ou sequer electricidade (felizmente há um gerador) pelo que não pude criar o blog nos dias em que escrevi estas linhas.

Nota: um Kwanza vale 0,8 cêntimos de euro, eu como não gosto muito de fazer contas faço os câmbios a 1 Kwanza = 1 cêntimo assim penso sempre que gastei mais do que realmente gastei e não preciso fazer contas nenhumas.


03-04-2010:


Chegado há menos de uma semana a Luanda já me estava a ambientar à coisa... tudo é caro, a cidade não é própriamente bonita, há sempre muito transito e muito lixo por todo o lado, 30º deve ser a temperatura mínima mas não é nada que não se aguente.
Já tinha ouvido falar das 'gasosas' nos blogues de outros emigrados, que li antes de vir, mas durante a minha primeira semana de estadia nunca, qualquer carro onde eu circulasse, foi mandado parar pela polícia.
Pois bem, hoje, quando voltavamos do supermercado tivemos um acidente. Um scootard (motard de scooter) ia algo depressa demais e quando viu a nossa carrinha já era tarde para parar.
Embateu no pneu e raspou uma perna, como nós estavamos a entrar numa rua, sem qualquer sinal de proibição mas que alguém convencionou como sendo de sentido único a culpa foi nossa (a mota não tinha travões, o bacano vinha depressa que nem um louco, nós somos estrangeiros e para toda a gente que estava ali aquela rua era de sentido único).
Conclusão:
Tivemos que levar o rapaz a uma clinica e pagar todas as despesas, ir à farmácia e comprar tudo o que era necessário e no fim, para os polícias não nos passarem uma multa por entrar numa rua de sentido único (mas sem sinal) ao contrário, tivemos que dar uma 'ajuda'... foram bastante simpáticos e 1000Kz chegaram para podermos ir descansados.
Pensei eu com os meus botões, até não é assim tão mau.

Saímos de lá e ainda não tinhamos andado 500m um outro policia manda-nos encostar, pedíu os documentos e pegou com um deles. Um papel provisório escrito à mão tinha na data uns números algo dúbios e ele decidiu que '.. agora vou ter que apreender a viatura' pois não podiamos circular com aquele documento assim.
Entrou no carro para o banco de trás (procedimento habitual), onde já ìa eu e um monte de sacos de compras e mandou-nos seguir para a 'esquadra de S. Paulo' que só por acaso é num 'musseque'. Ainda antes de chegarmos os meus colegas perguntaram ao Sr. Agente se havia uma forma de resolver a questão pois não era necessário ir até à esquadra ao que ele respondeu que agora teríamos que ir até à esquadra senão ele não tinha como ir para lá mas que podíamos parar uns metros antes para conversar.
Quando estamos perto e já se vê a esquadra a uns 300m ele pede-nos para parar e diz que se lhe dermos 15.000Kz estamos safos. 15.000Kz é muito dinheiro e é bem mais do que tínhamos ou estávamos dispostos a dar pelo que lhe dissemos logo que o carro iria ficar apreendido pois só tínhamos 2.000Kz. Ele replicou 'vocês não tão a ver bem a coisa... isto é assunto para ficarem sem o carro umas duas semanas. Se vocês não conseguem arranjar 6.000Kz têm que telefonar a alguém para vos vir buscar'.
Oferecemos uma garrafa de whisky, ao que nos informou que não bebia alcool. Mandou-nos estacionar o carro logo ali (a uns 300m da esquadra) pois ali era 'o parque das viaturas apreendidas', apareceram logo 3 manfios e depois de alguma negociação lá ficámos com 2.000Kz e uma garrafa de whisky a menos.
Eventualmente, acabámos por chegar a casa... mas foi um dia mesmo azarado.

Para que tenham uma ideia do custo de vida em Luanda deixo os preços do supermercado:
- Manteiga Mimosa - 790,00Kz
- Leite Mimosa - 236,60Kz
- Pão de Mafra Peq. - 53,70Kz
- Lata de Guaraná - 75,00Kz
- Pão Bola - 18,00Kz
- Azeite (250ml) - 340,00Kz
- Arroz - 180,00Kz
- Chourição (200g) - 253,82Kz
- Maçã (1Kg) - 445,00Kz
- Batata (1Kg) - 270,00Kz
- Ovos (1/2 dúzia) - 260,00Kz

Atenção: eu frequento supermercados reconhecidamente caros. Fazem lembrar um 'Modelo Bonjour' ou 'Pingo Doce' onde se encontra de tudo. Há sitios mais pequenos e com 'não tão bom aspecto' onde é possivel que os preços sejam mais baixos (eu não sei pois nunca entrei em nenhum). A fruta, legumes e muitas outras coisas podem ser compradas na rua a preços melhores, mas penso que dá jeito saber negociar.
Já comprei na rua 'fruta pinha' a 500Kz cada 10, maracujás amarelos do tamanho de laranjas grandes e é sempre caro... mas penso que no supermercado é mais, para além de que me esqueci de regateear o preço.

Quanto a comer em restaurantes, nos sítios mais acessíveis (sitios para estrangeiro comer, não estou a falar dos 'sitios realmente baratos onde um europeu não pensaria entrar') consegue-se comer com pouco mais de 1.500Kz, na grande maioria dos sítios acaba-se por se gastar ente os dois e os três mil Kwanzas.
Quem gosta de comer e beber bem pode contar mais com contas à volta dos 3.000Kz por refeição.
Para quem fôr aventureiro e quiser comer mesmo barato, à hora do almoço há pessoas que andam na rua com umas caixas plásticas grandes à cabeça e estas estão cheias de caixinhas de alumínio (como as das refeições dos aviões) e têm almoço para todos os gostos por 100Kz mas eu nunca experimentei, por isso, não posso dizer se é comestível ou não. Há ainda umas senhoras que têm pão dentro de umas bacias e fazem umas sandochas na hora mas essas eu não aconselho ninguém a comer pois as moscas passeiam-se pela refeição enquanto está na bacia.



04-04-2010:



Hoje fui à praia, fui à 'Barra do Dande'.
Uma praia espetacular, com coqueiros (que tinham cocos) e palmeiras e uma água mesmo quente, completamente morna, de tão quente passei as duas horas que estivemos na praia sempre dentro de água à procura das zonas com a água um pouco mais fria para me refrescar.
Num intervalinho que fiz entre 'demolhas' passeei um pouco pela praia que 50m para o lado estava completamente deserta. Pois bem, há milhares de 'cangarejos' na praia, pequeninos, ficam a apanhar sol no limiar água-terra e conforme eu ía andando eles fugiam muito depressa, uns para água, outros para uns buracos na areia que já antes tinha visto e me tinha perguntado que bicharoco os faria e para quê.
A dada altura cruzei-me com um 'cangarejo' enorme (para mim enorme é práí com metado do tamanho de uma sapateira) com o qual fiz amizade, este não era mega-veloz como os pequeninos que fugiam a sete pés e fugia de mim devagar, tão devagar que dava a impressão que eu o poderia apanhar se fizesse um movimento brusco, não fiz pois não o queria assustar.
Ele estava confortavel desde que estivesse a um metro de distância de mim, eu dava um passo, ele afastava-se lentamente até ficar a um metro de mim e parava, mais um passo, ele andava de novo.
Tirei-lhe umas fotos para o album de recordações e fui 'danar' mais um pouco pois o sol já me estava a queimar as costas.

No caminho para a praia vi estradas como nunca tinha visto... a estada que dá acesso a Luanda tem buracos do tamanho de camiões, nem sei como é que os 'não 4x4' conseguem andar por lá.
Tenho a certeza absoluta que o componente para automóvel que mais desgaste sofre neste país é a 'suspensão', só não digo que um negócio de venda amortecedores dava para enriquecer porque me parece que aqui quando uma peça se estraga anda-se com ela estragada e pronto. Há carros e camiões com os vidros em tal estado que tenho a certeza que o condutor conduz apenas por instinto pois ver não vê nada.


Aqui fica link para o álbum de fotografias:
http://picasaweb.google.com/bernardo.marques/FotosAngola#

Até à proxima,
Bernardo.